23º Congresso Brasileiro de Economia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

O PAPEL DA INOVAÇÃO NA ECONOMIA COMPARTILHADA E A TRANSFORMAÇÃO PARA UMA ECONOMIA COLABORATIVA

Resumo

O surgimento de novas tecnologias em plataformas inovadoras tem mudado o perfil do consumo. Aliado a facilidade de uso das mídias digitais nas novas gerações vem provocando transformações na economia tradicional refletida na visão das empresas fazerem seus negócios, promovendo o surgimento de novos produtos e serviços, e principalmente novas formas de distribuição. O objetivo deste estudo foi pesquisar a economia compartilhada, analisar o seu surgimento, as suas principais características e particularidades. A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa em diversas fontes bibliográficas, embasou-se em entrevistas, visitas e sobretudo na vivência na Europa durante o período de estudos no programa de duplo diploma na Università degli Estudi di Ferrara, Itália. Tais evidências empíricas auxiliaram na análise e interpretação de dados. Foram selecionadas 14 empresas sendo classificadas segundo o modelo de Botsman e Rogers (2011) e a tipologia proposta por Freitas, Petrini e Silveira (2016) incluindo-se parâmetros de interação e confiança, a fim de discutir os aspectos que determinam as transformações desta nova economia. Os resultados demonstram que houve uma mudança de paradigmas no conceito de posse por acesso, os consumidores estão mais interessados em usufruir os bens e não mais em possuí-los. A redistribuição é um aspecto significativo e considerado de importância à sustentabilidade, pois estimula o aumento do uso de produtos subutilizados. É uma economia que cria novas fontes de renda e modalidades de serviços com maior facilidade e agilidade ao acesso; FabLabs e coworkings estão se tornando pontos de referência, propiciam o encontro de diferentes talentos e favorecem o networking, além disso oferecem capacitação, em consonância com os novos desafios da transformação digital. Conclui-se que para a eficiência da maioria das modalidades de economia colaborativa é necessário um grau elevado de interação e confiança, pois o foco do compartilhamento é a interação entre seres humanos e não um produto físico em si, gerando em consequência uma infinidade de relacionamentos e de conectividade social. Há o desafio de adaptar normas legais existentes ou criar novas leis que garantam o principio da livre concorrência, evitando a concorrência desleal sem desestimular a inovação.

Abstract

The emergence of new technologies in innovative platforms has changed the profile of consumption. The ease of use of digital media in the new generations, it has been transforming the traditional economy reflected in the vision of companies doing their business, promoting the emergence of new products and services, and especially new forms of distribution. The objective of this study was to research sharing economy, to analyze its emergence, its main characteristics and peculiarities. The methodology used was qualitative research in several bibliographical sources, based on interviews, visits and above all living in Europe, during the period of study on the dougle degree programme at Università degli Studi di Ferrara, Italy. Such empirical evidence helped in the analysis and interpretation of the data. We selected 14 companies to be classified according to the model of Botsman and Rogers (2011) and the typology proposed by Freitas, Petrini and Silveira (2016), including interaction and trust parameters, in order to discuss the aspects that determine the transformations of this new economy. The results show that there has been a paradigm shift in the concept of possession by access, consumers are more interested in enjoying the goods and no longer in owning them. Redistribution is a significant and considered aspect of sustainability as it encourages increased use of underutilized products. It is an economy that creates new sources of income and service modalities with greater ease and agility to access; FabLabs and coworkings are becoming benchmarks, providing different talents and networking, and offering training in line with the new challenges of digital transformation. It is concluded that for the efficiency of most modalities of collaborative economy a high degree of interaction and trust is necessary, since the focus of sharing is the interaction between human beings and not a physical product in itself, generating in consequence an infinity of relationships and social connectivity.There is the challenge of adapting existing legal norms or creating new laws that guarantee the principle of free competition, avoiding unfair competition without discouraging innovation.

Palavras Chave

Consumo colaborativo. Sustentabilidade. Capacitação digital.

Keywords

Collaborative consumption. Sustainability. Digital training.

Referências

AIRBNB. Disponível em: https://www.airbnb.com.br/about/about-us. Acesso em: 07 mar. 2017.

BLABLACAR. Disponível em: https://www.blablacar.com.br. Acesso em 15 fev. 2019.

BITTENCOURT, J. T. Inovação e cooperação em arranjos produtivos locais. (Tese) Universidade Federal do Paraná. Curitiba: 2011.

BOSTMAN, R; ROGERS, R. O que é meu é seu: como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo. São Paulo: Bookman, 2011.


DOGHERO. Disponível em: https://www.doghero.com.br/sobre-nos. Acesso em: 10 mai. 2017.

EATWITH. Disponível em: https://www.eatwith.com/brand/about/. Acesso em: 07 mar. 2017.

ENTREPRENEUR. Disponível em: https://www.entrepreneur.com/slideshow/321571 Acesso em: 8 mai. 2018.

FAB LAB FOUNDATION. Disponível em: http://www.fabfoundation.org/ Acesso em: 8 mai. 2018.

FORBES. Disponível em: https://forbes.uol.com.br/negocios/2016/03/maior-a-crise-maior-a-oportunidade-diz-cofundador-da-uber-ao-lancar-empresa-no-brasil/ Acesso em: 8 jun. 2018.

FREITAS, C.S.; PETRINI, M.C.; SILVEIRA, L.M. Desvendando o consumo colaborativo: uma proposta de tipologia. In:9º CLAV _ Congresso Latino-Americano de Varejo, 2016. Disponível em: Brasil.http://hdl.handle.net/10923/10138. Acesso em:15 jun. 2018.

GENTILONI, P.Festival da Greenweek–Trento 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=YAXMQOkoxpo.Acesso em:15 jun. 2018.

ILTURCO. Festival Interno Verde. Disponível em: http://www.ilturco.it/Acesso em: 5 jun. 2018.

LIGHT, Sarah E., The Role ofthe Federal Government in RegulatingtheSharingEconomy (October 3, 2017). in: Cambridge Handbookonthe Law oftheSharingEconomy (Nestor Davidson, MichèleFinck, and John Infranca eds., Cambridge Univ. Press) (2018, Forth coming). Disponível em: SSRN: https://ssrn.com/abstract=3047322 Acesso em: 19 jan. 2019.

REVISTA FORBES, Brasil. Disponível em: http://www.forbes.com.br/negocios/2016/ 03/maior-a-crise-maior-a-oportunidade-diz-cofundador-da-uber-ao-lancar-empresa-no-brasil/. Acesso em: 07 mar. 2017.

REVISTA VEJA. Uber cresce 10 vezes em um ano e já tem 50.000 motoristas. Disponível em: https://veja.abril.com.br/economia/uber-cresce-10-vezes-e-ja-tem-50-mil-motoristas/ Acesso em: 07 mar. 2017.

RIFKIN, J. Sociedade de custo marginal zero. São Paulo: Editora M. Books do Brasil, 2016.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

WALTRICK, R. Economia compartilhada ganha espaço no Brasil, Gazeta do povo. Curitiba 01/12/2015.Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/economia/economia-compartilhada-ganha-espaco-no-brasil-5psxrsin06fsfjgcnfzvvqltu/.Acesso em: 10 mai. 2018.

Área

Bloco II – Desenvolvimento - Cooperativas/ Economia Compartilhada

Instituições

Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Parana - Brasil

Autores

Helio Burigo, Janice Bernardo, Erenê Oton França de Lacerda Filho, Jackson Teixeira Bittencourt