IX Congresso Catarinense de Obstetrícia e Ginecologia, IV Congresso Catarinense de Perinatologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

IMPACTO DO PLANEJAMENTO DA GESTAÇAO NA QUALIDADE DO PRE NATAL DE BAIXO RISCO REALIZADO NA ATENÇAO BASICA DE SAUDE EM JOINVILLE

Introdução

A assistência pré-natal é um dos pilares do cuidado à saúde materno-infantil, para isso, o Ministério da Saúde recomenda o número mínimo de seis consultas para uma gestação a termo. Objetivou-se analisar o impacto do planejamento da gestação na qualidade do pré-natal analisando informações emitidas por puérperas e quantidade de consultas pré-natal.

Métodos

Foi realizado estudo transversal, analítico-descritivo, com análise de entrevistas baseadas nos indicadores de qualidade preconizados pelo Ministério da Saúde. Foram incluídas pacientes que optaram por participar espontaneamente no estudo, que tinham gestação de baixo risco, que realizaram pré-natal nas UBS de Joinville - SC, maiores de 18 anos, com parto realizado na Maternidade Darcy Vargas e que tinham domínio da língua portuguesa. Os dias de entrevista e as pacientes foram escolhidos através de sorteio randomizado realizado pelo site Randomized Research. Os dados foram sintetizados em tabelas de Excel e analisados através de média e porcentagem.

Resultados

Foram entrevistadas 725 pacientes entre Março de 2018 e Fevereiro de 2019, com idade entre 18 e 46 anos e média de idade de 26 anos. Dentre as participantes, 64% eram brancas, 46% possuíam nível médio de ensino, 52% tinham renda familiar entre 2 e 5 salários mínimos com média de 4 pessoas dependentes desta renda; 11% não possuíam cônjuge. Sobre as consultas pré-natal, a média foi de 8 consultas realizadas sendo que 14% realizaram menos de 6 consultas. Das entrevistadas, 63% relataram gestação não planejada e destas, 48% não utilizavam método contraceptivo e 84% realizaram menos de 6 consultas pré-natal. Ainda, 78% das que não planejaram a gestação desejavam parto normal e destas, 70% o tiveram; enquanto que das pacientes que planejaram a gestação, 75% desejavam o parto normal, 66% o realizaram, e somente 6% destas realizaram menos de 6 consultas pré-natal.

Conclusões

Foi notória a importância de identificar o perfil das gestantes bem como as necessidades apresentadas, objetivando melhor planejamento familiar e a inclusão destas mulheres no serviço de pré-natal. É necessário, ainda, integrar as atividades entre os programas locais que atuam junto à sociedade para a busca constante das gestantes sem atendimento.

Área

Ginecologia e Obstetrícia

Instituições

Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE - Santa Catarina - Brasil

Autores

Karine Vlastuin dos Santos, Larissa Maria Moreira, Andreza Iolanda Apati Pinto, Ana Clara Mazzetti, Matheus Leite Ramos de Souza, Jean Carl Silva, Carla Gizele Vaichulonis