IX Congresso Catarinense de Obstetrícia e Ginecologia, IV Congresso Catarinense de Perinatologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A VALORIZAÇAO DO TRATAMENTO DO PARCEIRO NA LUTA CONTRA SIFILIS

Introdução

A sífilis é uma doença crônica infectocontagiosa cuja incidência vem aumentando exponencialmente até mesmo em gestantes, levando ao nascimento de crianças com sífilis congênita. O presente trabalho tem como objetivos principais a comparação do aumento do número de casos de sífilis gestacional nos anos de 2010 e 2015 e a análise do tratamento dos parceiros no município de Joinville-SC.

Métodos

Foi realizado um estudo retrospectivo a partir das fichas de notificação dos anos de 2010 e 2015 do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) em Joinville-SC.

Resultados

. Foram analisados 148 casos de sífilis em gestantes, destes 28 em 2010 e 114 em 2015, observando-se o crescimento do número de casos em aproximadamente 400% no período de 5 anos. A informação de maior relevância foi a de que todas as gestantes notificadas receberam tratamento nos anos considerados, o que não foi observado em relação aos seus parceiros. Com valores próximos a 47%, o índice de tratamento do parceiro permaneceu inalterado após os 5 anos citados, evidenciando a necessidade de adotar medidas eficazes. O baixo índice deveu-se, sobretudo, à não convocação do parceiro à UBS (2010) e à perda de contato com a gestante (2015).

Conclusões

O pleno tratamento das gestantes possui grande impacto social para evitar consequências como a sífilis congênita. Entretanto, a questão referente ao tratamento do parceiro necessita de reformulação social, englobando aspectos como o empoderamento da mulher e educação sexual para evitar a transmissão horizontal e reinfecção, pois o diagnóstico de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) provoca discussões acerca de sexualidade, preconceito e infidelidade. Os fatores psicossociais possuem grande influência no sucesso do tratamento da sífilis de forma global, envolvendo a gestante e seu parceiro. A relutância em aceitar a sífilis pelo parceiro precisa ser combatida por meio de estratégias de prevenção e assistência, e a participação deste deve ser estimulada a fim de que o companheiro tenha um conhecimento real do problema e passe a exercer uma paternidade responsável.

Área

Ginecologia e Obstetrícia

Autores

Thalita Agne dos Santos, Alessandra Oliveira Silva, Rafaela Santos Tedesco, Vivian Ellen Tácito Gouvea