IX Congresso Catarinense de Obstetrícia e Ginecologia, IV Congresso Catarinense de Perinatologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

USO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE ROBSON NA AVALIAÇÃO DAS TAXAS DE CESARIANA EM SANTA CATARINA E SUA ASSOCIAÇÃO COM PERFIL INSTITUCIONAL

Introdução

Diferenças no uso de cesariana parecem estar fortemente associadas a fonte de pagamento pelo parto e, neste contexto, tem sido postulado que no Brasil uma importante parte dos partos cesáreos são realizados sem indicações estritamente médicas, refletindo condições socioculturais e da prática obstétrica, além de fatores institucionais e financeiros, geográficos, étnicos e legais. A classificação de Robson estratifica as parturientes em 10 grupos e permite melhor entendimento das práticas obstétricas ao possibilitar a comparação das taxas entre diferentes instituições

Métodos

Estudo transversal baseado no Sistema de Informação dos Nascidos Vivos de Santa Catarina (SINASC/SC), 2012. Foram calculadas as taxas globais e específicas de cesariana de acordo com cada grupo do SCR e como proporção do total de cesarianas, além do excesso de cesarianas pelo Risco Atribuível Proporcional (RAP). Diferenças nas proporções de partos e taxas de cesariana em cada grupo, de acordo com forma de pagamento, foram analisadas pelo teste do qui-quadrado no nível de significância 5%

Resultados

A taxa global de cesariana foi 60,7%, sendo o dobro no sistema privado (88,9%) em comparação ao setor público (45,7%). Os grupos 1 (primíparas, feto único e cefálico, parto > 37 semanas e espontâneo), 4 (multíparas, feto único e cefálico, parto > 37 semanas, induzido ou cesárea eletiva, sem cesárea prévia) e 5 (multíparas, feto único e cefálico, parto > 37 semanas, com cesárea prévia) do SCR tiveram maior impacto nas taxas globais. A taxa de cesariana do grupo 1 foi 82,2% no setor privado, em contraste com 32,2% no setor público. Quando particular, o grupo 5 teve 98% dos partos via cesariana, contra 77,7% no sistema público. No setor privado chamou atenção a baixa utilização da indução, com mais de 65% dos partos ocorrendo eletivamente, além da alta concentração de multíparas com cesariana prévia (98%)

Conclusões

Taxas de cesariana elevadas entre primíparas merecem atenção pois antecipam o efeito cumulativo da cesárea prévia em multíparas. Além disso, a grande proporção de cesarianas eletivas em detrimento do manejo do trabalho de parto, principalmente no setor privado, aponta para um grande número de cesarianas realizadas sem indicações médicas estritas e preocupam devido potenciais efeitos adversos para gestantes e recém-nascidos

Área

Ginecologia e Obstetrícia

Autores

Helena Gondin May Vieira, Paulo Fontoura Freitas